“O livro é a grande memória dos séculos… se os livros desaparecessem, desapareceria a história e, seguramente, o homem.” - Jorge Luis Borges

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

[Resenha] A Menina Mais Fria de Coldtown - Holly Black

Título: A Menina Mais Fria de Coldtown
Autor (a): Holly Black
Editora: Novo Conceito
Páginas: 384
Classificação: 4/5
Sinopse: No mundo de Tana existem cidades rodeadas por muros são as Coldtowns. Nelas, monstros que vivem no isolamento e seres humanos ocupam o mesmo espaço, em um decadente e sangrento embate entre predadores e presas. Depois que você ultrapassa os portões de uma Coldtown, nunca mais consegue sair. Em uma manhã, depois de uma festa banal, Tana acorda rodeada por cadáveres. Os outros sobreviventes do massacre são o seu insuportavelmente doce ex-namorado que foi infectado e que, portanto, representa uma ameaça e um rapaz misterioso que carrega um segredo terrível. Atormentada e determinada, Tana entra em uma corrida contra o relógio para salvar o seu pequeno grupo com o único recurso que ela conhece: atravessando o coração perverso e luxuoso da própria Coldtown. A Menina Mais Fria de Coldtown, da aclamada Holly Black, é uma história única sobre fúria e vingança, culpa e horror, amor e ódio.
Desde que eu vi a sinopse do livro pela primeira vez, quis ler ele imediatamente. A Menina Mais Fria de Coldtown é o primeiro livro de uma série de livros que ainda não foram publicados as continuações lá fora.
Tana acorda dentro de uma banheira depois de uma festa, ao acordar ela percebe que todos que estavam na festa estão mortos. Quando ela sai pela casa para procurar por ajuda, ela se descobre que não é a única sobrevivente, mas que seu ex-namorada Aidan e um rapaz misterioso, Gavriel, também estão vivos. Mas os dois estão presos, Gavriel é um vampiro e Aidan foi contaminado. Tana acaba tendo um plano para tirar os dois da casa e assim eles fazem uma jornada para ir a um lugar seguro, onde nem Aidan e nem ela (que durante a fuga, pode ter sido infectada também pelo vírus) ataquem inocentes, e por isso o rumo que eles tomam é Coldtown, uma cidade fechada em que ninguém que entra pode sair. Em Coldtown ficam as pessoas infectada, os vampiros e os humanos que uma vez viviam naquela cidade ou que vão para lá em busca de serem transformados.  Lucien Moreau um vampiro muito famoso conhecido até mesmo pelos humanos, alastrou o vampirismo, transformando várias pessoas em vampiros, tudo isso para dominar o mundo, também esta em Coldtown, e conforme a história vai acontecendo descobrimos mais do passado entre ele e Gavriel.
Se ele gostava dela de algum jeito estranho e selvagem, não era da forma como os humanos gostavam uns dos outros e também não era como as pessoas em livros de histórias gostavam umas das outras.
Holly Black fez um livro em que trata os vampiros de uma forma bem diferente do que se tornou modinha. Muitos dos personagens me fez ficar com dúvida se a protagonista deveria confiar ou não neles, e se eles são do bem ou do mal. E é isso um dos pontos fortes do livros o suspense, de ficar em dúvida se Tana irá conseguir algum dia sair de Coldtown e o que ocorre com ela, durante toda essa história.
Os personagens Midnight e Winter em muitas cenas roubam a atenção, e em muitas cenas cruciais eles estão envolvidos. Aidan me suspreendeu, muitas vezes eu imaginei ele atacando algum inocente, mas isso quase nunca aconteceu. Gavriel esconde por tudo o seu segredo, e a única pessoa que chega a descobrir é Tana, mas apenas no final, porém Gavriel também pode ser considerado um vampiro poeta e insano. Tana é uma garota que perdeu sua mãe quando era muito nova, talvez seja por isso que ela é de poucas palavras e mais de ação, muitas vezes considerada durona.
Beber sangue é como uma explosão de pétalas de rosas, é como mel e leite e todas as coisas cálidas do mundo.
A Menina Mais Fria de Coldtown é narrado em terceira pessoa, intercalando cenas do presente e do passado da protagonista e outros personagens, e até mesmo postagens de blogs e vlogs. Porém senti um pouco de falta de cenas de ação, quando li a sinopse e vi o book trailer do livro, pensei que teria mais cenas de ação. O romance fica entre Tana e Gavriel, que mesmo Tana sabendo que tem uma atração por Gavriel, ela luta contra isso. O final do livro fica em aberto e nos faz imaginar o que irá acontecer em seguida.
Você é você mesmo. Você é mais puramente você do que qualquer um que eu conheça.
O livro é bastante interessante, apesar de não ter atingido a minha expectativa, mas é só aguardar o próximo livro para ver se nele o desenrolar da história vai me agradar mais. Eu recomendo que leiam o livro, que apesar de não ter sido o que eu achava, não deixa de ser ruim.

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhar

Twitter Facebook Google Plus LinkedIn RSS Feed Email Pinterest

Google+

Sobre o Blog...

O Rain, Books & Coffee é um blog para compartilhar minhas opiniões, resenhas e novidades sobre livros. Aqui você encontrará de todos os estilos, desde romances até drama. Fique a vontade para compartilhar, sugerir e comentar. Volte sempre...

Quem sou eu

Minha foto

Uma garota de 19 anos, apaixonada por livros, música e também que se apaixonada facilmente pelos personagens dos livros. Considerada bastante tímida, mas que somente as pessoas realmente próximas sabem que é uma garota que pode ser considerada maluca.

Participo!

Follow by Email

Seguidores

Blog Archive

Translate

Entre em Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Facebook

Siga no Bloglovin

Google+ do Blog

Copyright © Rain, Books & Coffee | Traduzido Por: Mais Template - Premium Blogger Templates